31 de agosto de 2017

Durante evento em Alagoas, produtores de algodão querem expandir área

O desaparecimento do algodão das lavouras alagoanas não significa o fim da cultura. É que o que acredita o secretário estadual de Agricultura, Álvaro Vasconcelos, ao destacar a importância do 11° Congresso Brasileiro do Algodão, iniciado na última terça-feira, 29, e que acontece até esta quinta-feira, 31, no Centro de Convenções, em Jaraguá. Como a meta do setor é ampliar em até 17% a área plantada no País, a expansão nacional pode incluir o Estado.

“Tivemos problemas, no passado, mas temos vocação histórica. Por isso acho que a realização desse grande evento, com a presença de toda a cadeia produtiva impulsione a retomada da produção local, com os nossos produtores e empresários que venham investir no setor”, disse Álvaro. A cotonicultura já foi uma das forças econômicas no Estado, disputando com a da cana-de-açúcar.

PRESENÇA

A Associação Brasileira dos Produtores de Algodão, vai reunir em Alagoas, 1,2 participantes de toda a cadeia produtiva da fibra. Segundo o presidente da Abrapa, Arlindo Azevedo Moura, o tema “inovação e rentabilidade” mostra como a conjuntura atual é favorável ao mercado interno, como o internacional. “Sugere uma tendência de aumento e preços e, consequentemente, de área”, destacou Arlindo, reforçando o interesse do setor em expandir o plantio. Promovido a cada dois anos, essa edição do congresso terá como símbolo a renda filé, uma das preciosidades da cultura alagoana.