18 de julho de 2019

CEP: Profissionais alagoanos garantem 14 proposituras para o 10º CNP

Além das discussões das propostas, também foram eleitos sete delegados que irão para Palmas-TO

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas (Crea-AL) concluiu, nesta última terça-feira, 16, a 10ª edição do Congresso Estadual dos Profissionais (CEP-AL). Além da eleição de sete delegados, os participantes definiram que 14 propostas serão encaminhadas ao Congresso Nacional de Profissionais (CNP), programado para ocorrer entre os dias 19 e 21 de setembro, em Palmas-TO.

Será neste município da região Norte do País que engenheiros de todo Brasil irão debater centenas de proposituras com o objetivo de encaminhá-las ao Congresso Nacional.

A intenção é transformá-las em normativos como leis, decretos ou resoluções que fortaleçam as categorias ligadas ao nosso Sistema e, consequentemente, o desenvolvimento do Brasil.

Nas eleições para delegados foram escolhidos quatro com mandato de conselheiro e três sem mandato. O critério utilizado para o pleito foi de que os candidatos tivessem participado de pelo menos um encontro microrregional e fossem habilitados para exercer a profissão de engenheiro.

Os eleitos com mandato de conselheiro foram os engenheiros eletricistas Valter Leandro e Ana Constantina Sarmento da Aprel; o engenheiro agrônomo Reinaldo Falcão da Seagra e o engenheiro civil Neylton Barros, do Senge. Já os profissionais escolhidos sem mandato foram os engenheiros civis Ana Maria Nascimento, Robson Gomes e a engenheira sanitarista Julia Laís Ribeiro.

Ao todo serão oito delegados representando Alagoas. Contando também com o superintendente do Crea, Niradelson Salvador, que vai coordenar a delegação que irá para Palmas.

O evento

Durante a solenidade de abertura do Congresso, o presidente Fernando Dacal ressaltou a importância da participação dos profissionais de Alagoas.

“Esse é um momento importante para a engenharia. Daqui podem nascer propostas que busquem uma maior valorização não só do trabalhador brasileiro, como também o resgate do desenvolvimento do Brasil”, disse.

A primeira apresentação ficou por conta do ex-ministro dos Transportes e atual secretário Estadual de Infraestrutura, Maurício Quintella Lessa, que abordou o tema “A governança da política de Infraestrutura brasileira sob a ótica da Engenharia”.

Quintella destacou os investimentos do Estado e falou da necessidade do Governo Federal trabalhar buscando uma melhor distribuição de recursos para que, por meio de serviços de engenharia, ofertem melhor qualidade de vida a população, e conseqüentemente impulsionem a economia dos Estados brasileiros.

Ainda foi pontuado pelo secretário as principais ações governamentais nas regiões de Alagoas. Do Canal do Sertão e sua gerência da água até a duplicação da AL-101 Norte.

Dacal cobrou ao secretário, que representava o governador Renan Filho, saídas para evitar o desmonte da engenharia alagoana.

“Precisamos repensar o fechamento da Serveal e discutir uma maior valorização aos engenheiros do Estado. É importante sua ajuda [dirigindo-se ao secretário] nesta luta por um serviço de qualidade nas ações do governo”, alertou.

A segunda apresentação ficou com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção do Estado de Alagoas (Sinduscon), Alfredo Breda, que se debruçou no tema “Governança das empresas de Engenharia e obras públicas”.

Alfredo orientou os participantes sobre as formas de atuação das empresas de engenharia. Ele fundamentou as principais leis e resoluções de como trabalhar legalmente no serviço público. Mesmo para quem não é empresário, as informações servem para os profissionais que pensam em iniciar algum tipo de empreendimento com foco em obras públicas.

A terceira apresentação da manhã ficou por conta do engenheiro agrônomo Edilson Maia, ministrante do tema “Evolução tecnológica e sua contribuição para o Agronegócio brasileiro”.

Referência em criar novas formas de inovar na área da agronomia, Edilson é responsável por desenvolver técnicas de plantio como, por exemplo, o da plantadora semimecanizada de cana-de-açúcar, que reduz custos significativos da produção.

Segundo ele, essa é uma forma de disputar o mercado com a concorrência internacional. Nos últimos 15 anos, o Brasil registrou 9 milhões de hectares de cana-de-açúcar plantada, 35 milhões de toneladas de açúcar produzidos, 800 mil empregos gerados e 440 milhões de toneladas de redução na emissão de dióxido de carbono nos últimos 15 anos.

“É uma atividade boa desde que seja usada com conhecimento”, concluiu Maia.

Mútua Caixa de Assistência

As apresentações da manhã foram encerradas com o diretor de tecnologia da Mútua e engenheiro agrônomo Claudio Calheiros, que destacou aos profissionais presentes a vantagens de ser sócio da caixa de assistência dos engenheiros.

“Aqui vocês têm os menores juros do mercado, podemos fazer planos de saúde, previdência privada, empréstimos para compras de veículo, imóvel e incentivo para ações de empreendedorismo”, destacou Calheiros.

A parte da tarde foi dedicada às votações e discussões para delegados e proposituras. Ao fim do evento foram sorteados brindes dos parceiros do Congresso, o Ipog e a Mútua.

 

Confira mais fotos aqui:

10º Congresso Estadual de Profissionais de Alagoas, 16 de julho – Jatiúca Hotel e Resort: https://photos.app.goo.gl/cwDDCdcwptGFj7je6