3 de setembro de 2019

Workshop discutirá, nesta quarta e quinta, abalos sísmicos que afetaram Maceió em maio de 2018

Nesta quarta e na quinta-feira desta semana (4 e 5 de setembro), a capital alagoana receberá o workshop “Causas, efeitos e soluções para os fenômenos geológicos em Maceió”, realizado pelo Confea – por meio de seu Grupo de Trabalho (GT) Abalos Sísmicos em Maceió –, em parceria com o Crea-AL. A programação contempla, entre outros itens, a atualização dos levantamentos da empresa mineradora que opera na região – Braskem – e mesa redonda com especialistas, para debater possíveis soluções e planos de remediação.

O presidente do Crea Alagoas, eng. civil Fernando Dacal, ressaltou o caráter técnico do workshop. “É importante reunirmos profissionais da geotecnia para discutir soluções. Passou-se muito tempo procurando culpados, e o que queremos agora é propor soluções de recuperação”, afirmou, ao destacar que a mineração tem relevante impacto na economia do estado, e que, desde os abalos sísmicos, Alagoas tem enfrentado sérios problemas socioeconômicos. “Temos que tranquilizar a população e recuperar os bairros afetados”.

Coordenador do GT Abalos Sísmicos em Maceió do Confea, o conselheiro federal e geólogo Waldir Costa destaca que, durante o workshop, será apresentado o mapa de danos atualizado pelas Defesas Civis municipal e nacional. “Nossa perspectiva é que o mapeamento explique com detalhe o que é apenas efeito ocorrido e o que, de fato, é risco em cada área”, disse.

Confira a programação:

A proposta do workshop, que tramitou pelas instâncias do Confea até ser aprovada pelo Plenário, surgiu no âmbito do GT e recebeu apoio do presidente do Conselho Federal, eng. civil Joel Krüger. “O Sistema Confea/Crea e Mútua têm obrigação e responsabilidade de garantir a segurança da sociedade, por isso o Conselho Federal e o Crea-AL têm dado suporte para solucionar a questão”, afirmou.

A primeira reunião do Grupo de Trabalho foi realizada in loco, em junho desse ano, quando os integrantes do grupo ouviram representantes do Serviço Geológico Brasileiro – CPRM (geólogo Thales Sampaio e equipe), da Universidade Federal de Alagoas (geóloga Rochana Lima), da Defesa Civil Municipal (Dinário Lemos), do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (Meteorologista Humberto Barbosa), do Instituto de Meio Ambiente de Alagoas (Jean Paul) e da Braskem (Engenheira Química Isabel Kenny) – empresa responsável pela mineração de sal-gema na região.

Confea cobra autoridades

Além da realização do Workshop, os trabalhos do GT Abalos Sísmicos em Maceió resultaram em dois ofícios que o presidente do Confea enviou à Agência Nacional de Mineração (ANM) e à Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH/AL). À ANM, o presidente solicita, entre outros atendimentos, acesso ao processo que contém as Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) dos profissionais responsáveis pelos trabalhos nos poços de extração da Braskem e os planos de Aproveitamento Econômico, de Lavra de cada mina e de Fechamento de cada mina. À Secretaria, o ofício solicita informações quanto às outorgas e fiscalização dos poços da empresa.